A musicoterapia é uma forma de tratamento que utiliza a música, ou seus elementos, para ajudar no tratamento de problemas, tanto de ordem física quanto de ordem emocional ou mental. O uso da música como complementação em saúde mental, facilita a relação com o cliente/paciente proporcionando o início da interação com o mesmo. A música promove sensação de bem-estar, atuando no paciente como um ato eficiente e protetor, fornecendo uma sensação de paz, e aceitação.
Terapeuticamente, a música faz com que o indivíduo expresse suas ansiedades, tensões, desejos e alegrias. Entra em contato direto com as emoções e sentimentos internalizados que, muitas vezes, estão bloqueados pela inibição, pelo estresse, pela falta de estímulo.

 

A musicoterapia melhora a compreensão, concentração, expressão facial e a autoestima.

A musicoterapia ajuda no tratamento de pacientes acamados. No caso de indivíduos com sequelas de AVC, que não falam e depende de cuidados em tempo integral, a música passou a ser instrumento de conexão quando este parece não responder ao que acontece ao seu redor. O principal objetivo é promover o prazer do paciente e a percepção de emoções a partir das músicas. A música possibilita o despertar e o desenvolvimento do potencial criativo do individuo, impulsionando transformações que levam à modificação de  padrões cristalizados, resgatando o fluxo vital e a  saúde. A utilização da música a partir de uma compreensão musicoterápica tem também um trabalho preventivo, pois visa o ‘esvaziamento’ e canalização das energias de tensão e ansiedade, impedindo que estas se acumulem e tenham como consequência, bloqueios psicossomáticos que geram o estresse e a depressão.

Fonte: facebook.com/Hospital.Paulistano