86540836Mais conscientização e uma resposta rápida são fundamentais para combater o acidente vascular cerebral nas crianças.

Os pais e os médicos devem levar em conta que as crianças podem apresentar acidente vascular cerebral e estar preparados para responder aos sintomas, segundo uma pesquisa apresentada no Congresso Internacional sobre Acidente Vascular Cerebral de 2014 da American Stroke Association.

 

Da mesma forma que nos adultos, os sinais de advertência de acidente vascular cerebral nas crianças são debilidade súbita ou intumescimento da cara, do braço ou da perna; dificuldade súbita para falar; problemas repentinos para ver; dificuldade repentina para caminhar; enjoos; ou início súbito de cefaleia.

 

Os pesquisadores entrevistaram 28 pais cujos meninos apresentaram um acidente vascular cerebral para pesquisar quanto aos fatores que contribuíram ao atraso da chegada ao hospital. Os meninos tinham idade que flutuava a partir da lactação até a adolescência. Os sintomas de acidente vascular cerebral não variaram segundo a idade, embora as convulsões foram mais frequentes nas crianças menores e os acidentes vasculares cerebrais se apresentaram sobretudo no domicílio e em menor grau na escola.

 

Embora a maioria dos progenitores considerava que os sintomas eram importantes, apenas aproximadamente a metade ligou para o numero telefônico de emergências; 36% considerou a possibilidade de um acidente vascular cerebral; e 21% teve uma atitude «esperar e observar» ou ligou para um familiar antes de tomar alguma medida de emergência.

 

«Pensar no acidente vascular cerebral, atuar rápido e ligar para o número telefônico de emergências», disse o Dr. Mark MacKay, pesquisador principal e Diretor do Programa de Acidente Vascular Cerebral Pediátrico do Royal Children’s Hospital e o Instituto de Pesquisa Infantil Murdoch em Melbourne, Austrália. «Esta mensagem se aplica tanto aos adultos como aos meninos».

 

A mediana de tempo desde o início dos sintomas até a chegada ao serviço de emergências foi 1,8 horas e alguns demoraram até 24 horas.

 

Em estudos prévios realizados nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e Austrália, o atraso do tempo médio para diagnosticar acidente vascular cerebral nos meninos foi mais de 24 horas.

 

«O fato de chegar ao hospital com rapidez é um primeiro passo essencial para implementar as estratégias que melhorem o acesso ao tratamento de emergência nas crianças» disse MacKay.

 

As crianças não receberão os benefícios do tratamento trombolítico de emergência a menos que «implementemos estratégias para melhorar o reconhecimento rápido do acidente vascular cerebral na infância», disse. O tratamento trombolítico deve ser iniciado ao cabo de três a quatro horas e meia de iniciados os sintomas.

 

Os neurologistas pediátricos devem educar médicos de atenção primária, pediatras, especialistas em cardiologia e médicos das salas de emergência em relação ao acidente vascular cerebral nas crianças e aos pais de meninos com transtornos que suportam um incremento do risco, tais como anemia de células falciformes ou transtornos cardíacos que é urgente levar em conta, disse MacKay.

 

Nos Estados Unidos, 4,6 de cada 100.000 crianças (de 0 a 19 anos) tiveram um acidente vascular cerebral durante o período de 1997 a 2003, segundo a American Heart Association. Apesar do tratamento, um dos 10 meninos com acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico terá uma recorrência ao cabo de cinco anos.