Sábado, 27, a AMAVC levou para o Parque Municipal de Belo Horizonte o Dia Mundial do AVC.  Este evento de conscientização vai muito além de questões de cuidados com a saúde cerebral,  ele também é para lutar por aqueles que não querem nada além do mínimo.

O dia começou com correria e medo de uma possível chuva, mas nada disso tirou a empolgação para fazer o Dia acontecer da melhor forma possível. Foram mais de 50 voluntários para divulgar, montar, organizar e, finalmente, fazer um dia de muita informação, diversão e emoção. “Pra mim foi bem bacana, porque nunca tinha sido voluntaria de nada e acabei sendo pela primeira vez em uma causa que não tinha tanto conhecimento. Foi muito bacana ver pessoas buscando conhecimento nas palestras, e teve gente até chorando no desfile feito pela Tina descolada. Estar fazendo parte desse ambiente, desse sentimento de ajuda, foi sensacional.”, disse a voluntária de primeira viagem, Bel Fraga.

De 10h às 15h, todos que passaram pelo Parque puderam assistir palestras, visitar stands informativos, aferir pressão e glicemia, além de vibrar com a Mestre sem Cerimônias, Natália de Sá. O Coelhão do América apareceu para alegria de todos que por um dia não deram atenção à rivalidades esportivas. O Conselho Jedi Minas Gerais (CJMG) levou vários personagens de Star Wars para luta contra o AVC. Todos se emocionaram com um lindo desfile inclusivo da Tina Descolada. E, para fechar a programação, o coreógrafo Douglas Gonzales colocou todo mundo pra cima com o Aulão de Ritmos.

“Essa é a 5ª vez que participamos do evento da AMAVC com a “Passarela Inclusiva- Tina descolada”, é sempre muito emocionante para quem assiste e empoderador para às crianças com deficiências e suas famílias. Esse ano tivemos várias crianças que são modelos profissionais e isso além de enriquecer a nossa apresentação dá oportunidade a elas de conviverem com as diferenças. ” contou a criadora do personagem Tina Descolada, Marta Alencar.

A missão da AMAVC é alertar toda a população sobre os perigos do acidente vascular cerebral e ensinar como evita-lo. O AVC é a doença que mais mata no Brasil e a que mais causa incapacidade no mundo. Segundo a SBDCV  (Sociedade Brasileira de Doenças Cérebro Vasculares), cerca de  70% das pessoas que sofrem um derrame não retorna ao trabalho depois do acidente vascular cerebral e 50% ficam dependentes de outras pessoas no dia a dia.  “Essas ações são importantes porque conseguimos levar informações a quem não tem acesso. Conseguimos profissionais focados no Avecista para dar palestras e tirar dúvidas com uma linguagem mais simples e fácil de entender. O Dia Mundial do AVC é para compartilhar experiências e um momento de aprendizado para todos os envolvidos. Esse ano fizemos no Parque e o resultado foi muito bacana! Mais de mil pessoas passaram por ali e batemos o recorde de voluntários. Muitos Avecistas foram em busca de mais conhecimento e saíram emocionados ” destacou Sandra Issida, presidente da associação.

Apesar da gravidade, muita gente ainda desconhece os fatores de risco e têm muitas dúvidas sobre prevenção, sintomas,  prestação de socorro, qual hospital procurar e, principalmente, o que fazer depois do AVC. Por estes motivos tem sido cada vez mais importante o envolvimento de todos para levar informação a todos.

 

Realização: Associação Mineira do AVC – AMAVC
Patrocínio: Boehringer Ingelhem, Medtronic, Lifecenter, Minasfar, e Neuro+.
Apoio: Belotur, Prefeitura de BH, Sinfito MG, Ciências Medicas MG FELUMA, HR Hospital na Residencia, Quintão Santos, LAN, Cap. America, Gerais, Rotary, Isabela Hendrix, Lacre do Bem, Rugby Minas Quad, Tina Descolada, América  Futebol Clube e Abraço da Beleza.